ESPAÇO DE DEVOCIONAL

Seja bem vindo!
Miss.Cacilda Barbosa Santiago

sábado, 1 de julho de 2017

E não nos cansemos de fazer o bem

"E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos."(Gl 6.9)

E não nos cansemos de fazer o bem...  Por que será que o Senhor através da sua  Palavra  nos alerta, para não cansarmos de fazer o bem, a colheita vai chegar no tempo, se não desanimarmos...?  A resposta nós podemos encontrar nas experiências da caminhada, em quantas sementes lançadas que não produziram o esperado, às vezes a produção da semeadura até nos decepciona, dado o solo seco, estéril que semeamos. No entanto, sabemos que a semente vem de Deus e Ele no seu tempo pode nos conceder a colheita. O certo que a colheita chega, se não desanimarmos de plantarmos a semente do bem.
É fato que muitas vezes torna-se difícil fazer o bem, semear o bem,  e então  como humanos que somos, nos cansamos e desanimamos.  Vivemos num mundo com tanta maldade, ingratidão, distorções, traições, fazer o bem, acaba  se tornando um grande desafio diário. O Senhor Jesus nos avisou que nos últimos dias, por se multiplicar a iniquidade o amor de muitos esfriará, mas o que perseverar até o fim... Portanto, o segredo da colheita está na perseverança, na decisão de não desistir de semear o bem. 

Que a Graça e o Renovo do Senhor seja sobre todos que decidiram fazer de suas vidas um instrumento do Bem, mesmo em dias de geleiras de maldade. Que o Espírito Santo aqueça cada coração com o Amor para com Deus, ao próximo e a si mesmo. Persevere em ser um benfeitor apesar dos malfeitores, Persevere em semear o bem apesar dos solos áridos, Persevere sempre, apesar de tudo, pois no tempo colheremos!

terça-feira, 18 de abril de 2017

DESPERTANDO PARTEIRAS PARA O REINO DE DEUS (Ex 1.15-21)

Despertando as parteiras de Deus! -  7 LIÇÕES DE 2 MULHERES PARTEIRAS (Êxodo 1.15-21) 
imagem retirada do site: https://temosquefalarsobreisso.wordpress.com/2015/08/17/o-sentido-e-as-funcoes-da-dor-de-parto-parte-ii/


Em todas as épocas, mesmo em meio às crises, Nada e ninguém impede o povo de Deus de prosperar.  Deus, o Todo Poderoso levanta instrumentos de vida e esperança para levar o Seu Propósito adiante. Na história do Povo de Israel, relatada no livro de Êxodo, capítulo 1, vemos o cuidado de Deus através de duas parteiras que atuavam na comunidade hebraica.
A parteira é a mulher que assiste uma mãe ao dar luz, essa atividade tem sido cada vez mais rara no tempos modernos. Nos tempos antigos, os deveres da parteira se consistia em ajudar a mulher a dar à luz, encorajando-a e fazendo todos os movimentos necessários para um parto sadio, além de cortar o cordão umbilical, lava o bebê, prepara-o envolto em panos para entregar ao pai e familiares. As parteiras comumente eram pessoas muito próximas das famílias.
Na narrativa bíblica em Êxodo, capitulo 1 versículos 15 a 21, num momento difícil da historia do povo de Israel, fadado a extinção e humilhação de seus opressores, aprendemos algumas importantes lições com duas simples parteiras para uma vida que faz a diferenças mesmo em meio ao e densas trevas da pós modernidade, e assim despertadas como  parteiras de nosso tempo possamos fazer a diferença no Reino de Deus como canais de VIDA e ESPERANÇA! Vejamos algumas dessas lições:
Lição 1.   Se houver  decreto de morte, DEUS LEVANTA PARTEIRAS - SIFRÁ E PUÁ  , foram as  duas parteiras que ajudaram a evitar um verdadeiro infanticídio de crianças hebréias pelos egípcios. Duas mulheres, seus nomes SIFRÁ, que significa "ser justo" "belo" e a segunda, PUÁ, cujo nome em hebraico sifinifica "Esplêndido". Podemos  extrair de seus nomes a junção de duas qualidades para agentes de VIDA, que são JUSTIÇA e BRILHO. Jesus nos nomeou para sermos " inculpáveis e irreprensíveis, reluzir como astros resplandecentes no meio de uma geração corrompida e perversa" (Fp 2.15). Também nos alerta: "Vocês são o sal da terra e a luz do mundo". (Mt 5.13b). Portanto, mesmo em meio ao decreto de morte, exite a esperança de brilhar e não permitir que nada e nem ninguém tire o resplendor diante das densas trevas de mortandade. Não teremos medo da mortandade, pois temos no Altíssimo a nossa habitação (Sl 91.5-6). Agindo Deus, quem impedirá?
Lição 2.  NÃO SE CONFORME COM A SENTENÇA DE MORTE DO INIMIGO “ – As duas parteiras estavam cientes da Lei e de suas consequências, no entanto, não se acovardaram.  "Mais importa obedecer a Deus do que a homens" (At 4.19). E, assim não se amoldar aos padrões impostos pelo sistema do mundo que jaz no maligno. Como alerta-nos a Palavra de Deus "Não vos conformeis com esse mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" (Rm 12. 3)
Lição 3.      Precisamos fazer escolhas certas, que envolvem  vida ou morte, benção ou maldição -  Deus concedeu ao homem o livre arbítrio, havia nas parteiras o poder de decidir se seriam agentes de vida ou de morte.   “Olha que hoje ponho diante de ti a vida com o bem, e a morte com o mal.  Mando-te hoje que ames o Senhor, teu Deus, que andes em seus caminhos, observes seus mandamentos, suas leis e seus preceitos, para que vivas e te multipliques, e que o Senhor, teu Deus, te abençoe na terra em que vais entrar para possuí-la.” (Dt 30.15-16)  - O INIMIGO VEIO ROUBAR, MATAR E DESTRUIR. JESUS VEIO TRAZER VIDA, E VIDA EM ABUNDANCIA
 Lição 4.    Deus quer que sejamos parteiras TEMENTES AO SENHOR acima de tudo! (v.17) Contudo, Pedro e João propuseram-lhes: “Julgai vós mesmos se é justo diante de Deus obedecer a vós mais do que a Deus. (At 4.19) Ex. DANIEL, ISAQUE SADRAQUE E ABENEGO, JEREMIAS etc.
 Lição 5.       Deus quer que sejamos parteiras que conservam “os meninos” com VIDA! (v. 18) -  Deus nos concede a oportunidade de sermos canais de vida para nossos companheiros. Existe muito para ser preservado e protegido. no TEMOR DE DEUS agir com esse cuidado de agir. Portanto, Não permita que o menino da sua irmã (irmão) morra! Ajude, socorra, fortaleça, motive, faça nascer! ("meninos" representam sonhos, futuro, vida, sequência de uma geração, sacerdócio etc.)
Lição 6. Deus concede estratégias e habilidades para as parteiras que fazem a Sua vontade! (v.19) -  Exemplo nós vemos na narrativa bíblica em Lucas, que HERODES FEZ A SENTENÇA PARA QUE JESUS NÃO NASCESSE. MAS DEUS concedeu a JOSÉ E MARIA A ESTRATÉGIA DE SOBREVIVÊNCIA e preservou, e eles obedeceram as diretrizes estratégicas de Deus.
Lição 7. PARTEIRAS QUE OPTAM PELA VIDA SÃO ABENÇOADAS E RECOMPENSADAS POR DEUS (20-21)
Deus não deve nada a ninguém, e sabe recompensar, sua Palavra relata a recompensa até por "um copo de água..." Deus é maravilhoso, e todo esforço, toda renúncia, toda dor será recompensada por Ele. " Porque Deus não é injusto para esquecer a vossa obra, e do trabalho do amor que para com o Seu nome mostrastes, enquanto servistes aos santos; e ainda servis" (Hb 6.10) . VALE A PENA SE DISPOR PARA SER UM(A) PARTEIRA DE DEUS EM PRÓL DO SEU REINO, EM PROL DA VIDA. JESUS É O DONO DA VIDA, NOS OFERECE VIDA, E VIDA EM ABUNDANCIA. e, A recompensa vem dEle! Ele prosperou a vida das parteiras, concedeu casas, um nome, um destaque naquela sociedade em que correram riscos por temerem a DEUS e decidirem ser canais de vida.
" Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na Obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no SENHOR!" (I Co 15.58)
          





quarta-feira, 29 de março de 2017

Fortalecidos pela Esperança no Senhor

Fortalecidos pela Esperança no Senhor

 “Bom é ter esperança, e aguardar em silencio, a salvação do Senhor!” (lm 3.26)

A esperança em um alento para a vida, é um combustível para a sobrevivência em meio ao caos, quando a opção que resta é acreditar no que se espera. A Esperança, portanto, caminha junto a FÉ. 
Vemos no livro de Ezequiel Capítulo 37, que o  povo de Israel, vivia uma fase em que a esperança tinha perecido. Nossas vidas de vez em quando guerreiam contra a esperança. Uma pessoa que tem esperança, tem um fé fortalecida no Deus que tudo pode.
Muitos personagens bíblicos passaram por crises que podemos chamar de “crise de esperança”, não é desespero, é a falta de oxigênio para alegra-se, para continuar acreditando. 
 “ Bendito o varão que confia no Senhor, cuja esperança é o SENHOR. Porque ele será como a árvore plantada junto das águas, que estende as suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde;e, no ano as sequidão não se afadiga e nem deixa de dar fruto.” (Jr 17.7-8)
O profeta Ezequiel nos deixa algumas lições nesse contexto é levado para o “meio do vale cheio de ossos”
1.     O Espírito nos conduz para os vales com propósitos definidos – DEUS É DEUS DE PROPÓSITOS; (Ex. Jesus no deserto, o povo de Israel) 
-  Lição: Nem só de pão viverá o homem, mas da Palavra de sai da boca de Deus”

2.     (V.2) No vale da “desesperança”(falta ou perda da esperança, descrença) , é preciso estar atento, para avaliar o contexto; (os ossos viraram pó, sequíssimos)
3.     
(V.3) No vale da desesperança é preciso reconhecer que “ Deus tudo SABE” 
(Sl 139.2-3 –“tu conhecer o meu assentar e o meu levantar, de longe entendes o meu pensamento. Cercas o meu andar e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos”
4.     
(v.4)  É preciso ouvir, crer e obedecer a Palavra de Deus.
5.     (v. 7) “Enquanto” nós agimos debaixo da palavra de Deus, mesmo contra a razão, o milagre acontece. (Rebuliço, ossos se juntaram, cada osso no seu osso, nervos, carne, pele)
6.     V. 10 – Aconteça o que aconteça, não pare de obedecer conforme a ordem de Deus.  Ele é o Dono da Vida, o Dono da Esperança. (Houve vida, um exercito se levantou)
7.     V. 13 – Pelo Poder da Palavra, mesmo no vale, a esperança pode ressurgir, Pois   Deus age com Poder, para que todos saibam que Ele é o SENHOR! 


“Ora, o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz na vossa fé, para que abundeis na esperança pelo poder do Espírito Santo”  (Rm 15.13)

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

O PODER DO ABRAÇO




Há um poder grandioso no abraço
Abraço combina com laço
Com o abraço, a muralha eu despedaço
Com abraço, a nuvem de ódio desfaço
Com abraço, a arma do rancor eu amasso
Ah o abraço...
com  amor envolvido eu resolvo
e na sua força eu dissolvo
E posso proporcionar o renovo!
Ah o abraço...
O Abraço desfaz o rancor 
O Abraço faz laço de amor
Abraço é laço, mas laço de vida
Abraço é remédio que sara a ferida
Abraço é laço que reconstrói
Abraço é a ponte sobre que sobre a vida
Abraço é chegada, é partida.

Viva o abraço, pois abraço é VIDA!  

(Miss. Cacilda Barbosa Santiago) 


terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Deus dos montes e Deus dos vales



A vida nos coloca em constantes oscilações, dias bons, dias maus, vales, montes. Enfim, há tempo pra tudo, chorar, sorrir, plantar, arrancar, abraçar, se afastar etc.. (Ec 3). A questão fundamental em tudo isso, é manter o foco naquilo que por nos dar esperança: "Quero trazer à memória o que me pode dar esperança. As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã. Grande é a tua fidelidade. A minha porção é o SENHOR, diz a minha alma; portanto, esperarei nele.”( Lm 3.21.24)
Quando observamos a geografia bíblica, se percebe que grande parte das regiões citadas na Palavra de Deus estão envoltas de vales, desertos, montes, cavernas etc.. 
Nas guerras, cada grupo de soldados dessas regiões tinha uma maior especialidade no ambiente, alguns se destacavam em áreas pantanosas, alagadiças, outros em vales estreitos e escorregadios, outros em lugares altos com todo comprometimento climático inerente ao local. Além disso, havia, e ainda existe para muitos, uma grande influência dos seus deuses cultuados como protetores e detentores "divinos" dessas localidades, proporcionando aos que lhes buscavam a devida graça para vencer naquele determinado ambiente, seja nos montes ou nos vales, dependia do deus que veneravam. 
Foi veiculado no Programa Planeta Extremo (21/02)  uma matéria muito bem feita e muito interessante sobre os caçadores de mel, o qual seguem uma  tradição milenar num vilarejo  nas montanhas do Nepal.  Na colheita, são retiradas das colmeias o mel do ymalaia ou "mel vermelho" produzidos pelas maiores abelhas do mundo num paredão de mais 90 metros de altura. Mas os caçadores não se utilizam de nenhum equipamento de proteção e  buscam proteção espiritual no que acreditam ser o protetor das montanhas que impedem que aconteça algum acidente, cumprindo todo um ritual no alto da montanha.  Fiquei pensando na crença deles ... e me veio à lembrança que era exatamente esse entendimento que os sírios a respeito de suas crenças, tinham ao ponto de ser prepararem estrategicamente para derrotarem o povo de Israel. Eles acreditavam que tinham  certa ocasião, perdido uma batalha, porque achavam que o Senhor Deus de Israel era Deus com poder apenas dos montes e não dos vales. Mas o Deus vivo, Criador dos céus e da terra, viu a afronta e tomou para si, revelando mais uma vez que Ele é o Grande Eu Sou, o Deus dos montes e também o Deus dos vales. "E chegou o homem de Deus, e falou ao rei de Israel, e disse: Assim diz o Senhor: Porquanto os sírios disseram: O Senhor é Deus dos montes, e não Deus dos vales; toda esta grande multidão entregarei nas tuas mãos; para que saibas que eu sou o Senhor.  (1 Rs 20:28)
Deus cumpriu a Sua Palavra, livrou nos vales, assim como tinha livrado nos Montes. Deus não se limita a ambientes, ou a circunstância. Agindo Deus, quem impedirá? 
Infelizmente, a falta de divisão da grandeza e Poder de Deus permite que muitos percam batalhas porque não tem a fé suficiente no Deus que está acima de qualquer campo de batalha. Do Senhor é a guerra! 
Quando o salmista estava no vale, Olhou para os montes e disse: de onde me virá o socorro?", e o Espírito Santo lhe ilumina da resposta que precisa ecoar em nossos ouvidos a cada dia: "o meu socorro vem do Senhor, que fez o céu e a terra"(Sl 121.1-2)
Com esse entendimento, Israel mostrou que mesmo que o inimigo mude suas estratégias de ataque , bem como os territórios de combate, o SENHOR dos Exércitos está conosco, o Deus de Jacó é o nosso Refúgio.(...)quebra o arco e corta a lança, queima os carros no fogo(...) Aquietai-vos e sabei que Eu sou Deus" (Sl 46)
Portanto, ELE É DEUS, seja nos montes, seja nos vales as batalhas, o SENHOR continua sendo DEUS! 

(IMAGEM internet, google )



sábado, 17 de dezembro de 2016

SAUDADE... 
Saudade é um NÃO...
É não ter, não saber, não ver... 
Saudade é um SENTIR. 
Um sentir que sufoca, que desfoca 

Saudade é um SIM...
Sim que amou no passado,  
um sim da ausência do presente, 
que insiste em ser comovente...
mas um sim de esperança no futuro, e que vence todo muro... 
Saudade é  um AMAR... 
Um amar misturado com DOR
Uma dor causada  falta de alguém
que se foi e que não mais voltou... 
(Autoria: Cacilda Barbosa Santiago, 17/12/2016) 






terça-feira, 5 de julho de 2016

O QUE NÃO SE DEVE FAZER NO DIA DA BATALHA (Sl 78)

internet: www.jn.pt
“Os homens da tribo de Efraim, armados com arcos e flechas, fugiram no dia da batalha.”(Sl 78.9)
O Salmo 78 nos traz uma importante reflexão, e a necessidade de um resgate histórico sobre um povo que tinha aliança com Deus, mas que o perigo do esquecimento dessa aliança pelas gerações seguintes  trouxe sérias consequências. “para que pusessem em Deus a sua confiança e não se esquecessem dos feitos de Deus, mas lhe observassem os mandamentos;” (v.7)
Efraim, conforme a narrativa bíblica, foi um dos filhos de José que nasceu no Egito. Nome hebraico que significa  "frutífero". Juntamente com a Tribo de Manassés, formou a Casa de José. Efraim, na divisão do território, ocupava a área montanhosa, o que lhe proporcionava proteção e segurança, era também uma região extremamente fértil, proporcionando prosperidade. A tribo de Efraim era a mais dominante das tribos do Reino de Israel, por sua força e poderio.
No entanto, vemos no relato dos salmos 78, uma reflexão do que leva um povo forte, habilitado, armado e bem preparado a fugir diante da batalha. Aprendemos o que NÃO DEVE ser FEITO por quem quer vencer a batalha. Um exército forte e poderoso  que, mesmo com arcos e flechas recuaram apavorados e envergonhados diante de seus inimigos, quebraram alguns requisitos de sobrevivência e vitória na guerra, levando-os a pior de todas as atitudes de um soldado, virar as costas para o inimigo, tornando-se uma presa vulnerável.
Quais os fatores que levam a esse tipo de constrangimento? Um povo escolhido por Deus fugir numa batalha? Podemos observar as respostas nos versículos seguintes:
1.   QUEBRA DE ALIANÇA COM DEUS- DESOBEDIÊNCIA “Não guardaram a aliança de Deus, não quiseram andar na sua lei;” (v.10). 
2.     ESQUECIMENTO DOS FEITOS DO SENHOR - “esqueceram-se das suas obras e das maravilhas que lhes mostrara.” (v.11)
3.     INSISTÊNCIA NO PECADO - “Mas, ainda assim, prosseguiram em pecar contra ele e se rebelaram, no deserto, contra o Altíssimo.” (v.12)
4.     TENTAR A DEUS AFRONTANDO SEU PODER - “Tentaram a Deus no seu coração, pedindo alimento que lhes fosse do gosto. Falaram contra Deus, dizendo: Pode, acaso, Deus preparar-nos mesa no deserto?”
5.     INCREDULIDADE - “porque não creram em Deus, nem confiaram na sua salvação.”

Portanto, é preciso não apenas ser forte e habilidoso, mas acima de tudo, confiar no Senhor, arrepender-se e retomar a posição no combate, e assim como o Salmista lembrar que “uns confiam em carros, outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do Senhor nosso Deus. Uns encurvam-se e caem, mas nós nos levantamos e estamos de pé”. (Sl 20)



segunda-feira, 4 de julho de 2016

8º CONGRESSO GERAL UNIFICADO DA ASSEMBLEIA DE DEUS EM RIO BRANCO

Próximos dia 6 a 9 de julho será realizado no Ginásio do SESI, o 8º Congresso Geral Unificado da Assembleia de Deus em Rio Branco, sob o tema: "A Palavra de Deus:resposta em tempos de crise". 
Os preletores do evento serão: Pr. Adriano Mendes, vindo de Brasília-DF, Ev. Sebastião Moreira e Pr. Luiz Gonzaga de Lima.
No louvor: cantores locais e os grandes corais dos departamentos de jovens, adolescentes, círculo de Oração e senhores.